Menu Fechar

A Tradição Musical … (1)      A Tradição Musical … (2)      A Tradição Musical … (3)      A Tradição Musical … (4)      A Tradição Musical … (5)      A Tradição Musical … (6)      A Tradição Musical … (7)      A Tradição Musical … (8)

 

A Tradição Musical … (6) – extraída de “Adágio”, nº15 – Dezembro de 1982

No inicio dos anos 30 surgiu uma moda que levou ao desaparecimento de muitas bandas de música, como, por exemplo, ao da banda da Academia Musical lº de Junho de 1893, do Lumiar: foi a moda das “troupes jazz”.

As direcções de muitas sociedades musicais ficaram deslumbradas com a descoberta: meia dúzia de músicos – um baterista, dois ou três banjos, um ou dois saxofones – era quanto bastava para justificar o nome da colectividade e representavam uma mina, porque animavam os bailes, que era uma grande fonte de receitas, e faziam uma despesa mínima.

Ao contrário, as bandas eram apenas uma fonte de encargos e preocupações: instrumental numeroso e caro, fardamentos, honorários do regente…

E claro que a moda também chegou aos Olivais e à S.F.U.C.O.

Porém, aqui seguiu-se um critério diferente: a banda manteve-se e a “troupe jazz” foi formada com alguns elementos da banda. Chamou-se “Troupe Sax Jazz União Olivalense” e iniciou a sua actividade em 1932. Era formada por alguns dos melhores músicos da banda: Joaquim Cardoso Alves, trompete; Joaquim José Luis (o Joaquim da Lúcia),sax soprano; Mário Pais da Silva, sax tenor; João Lopes, sax tenor; Eduardo Faria, sax tenor; Luis de Oliveira Grilo (o Luis Sapateiro),sax baritono; António Pereira, trombone, e António Joaquim Branco, bateria.

Mandavam vir as partituras de Paris e o conjunto gozou de merecido prestigio, durante vários anos…

Esta moda, porém, efémera como todas as modas, passou. A “Troupe Sax Jazz União Olivalense” desapareceu ainda antes de iniciada a década de 40, como aconteceu às suas congéneres.

As bandas filarmónicas de Lisboa tinham sido sacrificadas à moda; esta passou e as “academias musicais”, “sociedades musicais” e “sociedades filarmónicas” passaram a ser colectividades cujos nomes já nada tinham a ver com a realidade.

De tudo isso, ficava a “banda dos Olivais” – única em Lisboa – justificando, mais do que nunca, o seu nome de “União e Capricho Olivalense”.

Helder Rodrigues